terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Não fraquejar

Olho para o telemóvel de 2 em 2 minutos. Não, não lhe vou ligar. Não quero vê-lo. Não quero, mesmo. Fui tão cobarde que agora não teria sequer coragem de olhá-lo nos olhos. Não ia conseguir ser má, fria e racional com ele à minha frente. Mas não vou aguentar muito mais tempo sem falarmos. As mensagens de voz deixam-me a tremer e resisto com todas as forças para não atender as chamadas... Passou um dia e duas noites. Ele confessa que precisa de me ouvir. E dói-me. Muito. Dói-me tanto. Saber que não posso voltar a acreditar na nossa história impossível. Não posso. Não dá. Não iria dar. Sempre soube. Mas acreditei. E fui muito feliz por acreditar, e por tentar. Se resultasse era digno de um livro. Um livro imortal daqueles em que o Amor vence tudo e todos. Todas as pressões, as diferenças, as falhas... Em que o simples prazer de dormir abraçada a ele compensa tudo o resto. Mas não estou num livro. Estou na vida real. Em que tanto mais conta. Em que os nossos passados são cruciais e estruturam as nossas diferenças. Não podemos fazer um reset na nossa mente?
Não posso fraquejar. E não há nada para desculpar. Nada que mude com um encontro, um olhar ou uma frase. Tenho de ser forte. Mas o medo invade-me o corpo e a alma e tira-me todas as certezas. E doi-me. Tanto.

4 comentários:

Irina disse...

Um sorriso e um abraço para ti, Madrinha!

Maria disse...

Não faço a minima ideia do que aconteceu contigo..mas se há coisa que eu aprendi ao longo de 8 anos foi nunca desistir daquilo que sentimos..Não tenho uma história fácil, há quem n compreenda, há quem me ache uma grande mulher e há também quem me diga "desiste". Mas por muito que a razão diga para esquecer, o coração parece ser mais forte e diz precisamente o contrário..portanto a única coisa que te posso dizer é que se amas esquece todos os obstaculos e diferenças, porque ás vezes acredita que histórias de livros acontecem na vida real!

fatinha disse...

Tem que ver o "Despertar da mente" com Kate Winslet e Jim Carrey.

Contas de um Conto disse...

Ora aí está uma brilhante ideia! Termos um botão reset, ajudava imenso. Força...!